Warhammer: Vermintide 2, desenvolvido e publicado pela Fatshark, é a sequência de Warhammer: The End of Times – Vermintide, de 2015. O jogo foi lançado para PC e Xbox One em 08/03/2018 e para PS4 em 11/06/2018, trazendo um jogo de ação cooperativa nos moldes de Left 4 Dead, da Valve Studios, mas que nem por isso deixa de inovar e de fazer bonito. Trata-se, portanto, de uma aventura de sobrevivência em 1ª pessoa contra hordas de inimigos no universo Warhammer.

Para mim, o jogo foi uma grande surpresa positiva. Já conhecia os jogos Warhammer de vista, mas nunca havia me debruçado sobre um deles. Havia visto o trailer de lançamento de Vermintide 2 pouco antes de ser lançado, mas não havia me surpreendido a ponto de querer jogá-lo, até por já possuir 83 horas de Left 4 Dead 2, porém, esse sentimento mudou quando joguei um final de semana inteiro pelo free weekend do Steam com outros 2 amigos.

O diferencial do jogo é a adição de elementos de RPG, o que já era presente em seu antecessor, mas que aqui ficou mais refinado. Há 5 personagens a sua escolha, cada qual com 3 variações de jogabilidade destraváveis conforme o avanço do nível 7 e 12 do personagem, sendo o nível 30 o máximo. Cada personagem tem sua própria árvore de talentos, forma de jogar e de se equipar. Nada complexo, mas suficientemente prático.

Os equipamentos consistem em: uma arma corpo-a-corpo, uma arma de longo alcance, um colar, um item encantado (charm) e uma jóia (trinket). Às armas, cada personagem possui sua variação. No meu caso, joguei com a maga de fogo Sienna Fuegonasus, que consegue usar 4 tipos de armas corpo-a-corpo (adaga, espada de fogo, maça e espada normal) e 4 tipos de cajado de arma de longo alcance (cada cajado com uma forma de atirar). Cada arma tem sua vantagem e desvantagem, devendo o jogador escolhê-las antes de iniciar os mapas. Todos os equipamentos possuem níveis de poder de 1 a 300, com diferentes propriedades, peculiaridades (traits) e raridades, esse com a seguinte ordem crescente: branco, verde, azul, dourado e vermelho.

As 4 armas corpo-a-corpo são representadas pelas armas de fundo bege quadriculado.

Tais equipamentos ainda podem ser criados, modificados e melhorados (crafting) conforme se avança no jogo e se recicla aquilo que não é mais útil, transformando-os em matéria prima para as criações e modificações. Ainda, há a possibilidade de conquistar novas aparências (cosmetics) através da realização de alguns desafios específicos do personagem. As opções são tímidas, com apenas 2 para cada variação de personagem e 2 opções de borda do retrato do personagem.

Descrições típicas de RPG

Os talentos são desbloqueáveis a cada 5 níveis.

Todas essas funções são clássicas dos RPGs, mas que ainda agradam e naturalmente nos faz gastar algum tempo na busca pelas melhores combinações.

A construção do jogo ficou ótima. É fluído e fácil de aprender. Sua fórmula se repete com alterações gradativas de desafios de cenário, baús de recompensa, quantidade de experiência para melhorar o nível, hordas de inimigos, inimigos de armadura, inimigos especiais e chefes através de 13 mapas e 4 dificuldades: Recruta (fácil), Veterano (médio), Campeão (difícil) e Lendário (super difícil). A diferença entre eles consiste na frequência e quantidade de inimigos quaisquer, de poções de cura e de benefícios (velocidade, força ou magia), bem como no dano causado ao jogador. Cada mapa rende facilmente 30 minutos na 1ª vez, então o jogo te garante cerca de 7 horas honestas de novidade narrativa, mas claro, novas armas, níveis e habilidades te farão repetir a jogatina por mais algumas vezes.

Interessante mencionar ainda o desafio gerado pelos Tomos e Grimórios, livros escondidos pelo mapa que te recompensam com experiência extra se carregados até o cumprimento do mapa. Coletando um Tomo, não se pode carregar item de cura, sendo permitida a troca entre eles quando encontrados por aí, porém, carregando um Grimório a energia máxima de todos os jogadores é reduzida impedindo de carregar os itens que seriam carregados em seu lugar: as poções de benefício (velocidade, força ou magia). Cada mapa possui 3 Tomos e 2 Grimórios, assim todos os jogadores são obrigados a carregar um Tomo, enquanto dois deles os Grimórios. Cabe assim ao time mensurar o risco-recompensa dos mapas junto as dificuldades.

Não presenciei nenhuma espécie de bug, mas as poucas (felizmente) escadas são desajeitadas de se interagir. Por várias vezes fiquei quicando na tentativa de descer por elas. Por isso lembre-se de quando jogar no mapa Hunger in the Dark faça 2 Pai Nosso ao encontrar a escada da entrada e aí vai! Errar nesse começo pode ser fatal! #QuemNunca

Os mapas são levemente abertos quando comparados com a exploração linear de Left 4 Dead, o que é uma mudança sutil, mas que traz um ar de novo à jogatina. É verdade que por vezes é possível ficar perdido, contudo o caminho de volta está logo ali, também não demorando muito para se acostumar com eles. Ainda, é impossível não se admirar com os belíssimos cenários – que já me impressionou na opção de qualidade Média – cuidadosamente mesclados com luzes e cores na medida perfeita da ambientação Warhammer, das mais calmas até as mais sinistras.

De contra, o jogo é muito repetitivo após o primeiro contato com os mapas e a história, tal qual Left 4 Dead, e por isso recomendo muito priorizar uma jogatina entre amigos para amenizar a repetição. Para mim foi crucial para me manter por 60 horas. Do contrário, é possível jogar sozinho com bots ou se conectar a outros jogadores online para jogar unicamente de forma cooperativa, diferente do grande destaque e longevidade de Left 4 Dead 1 e 2: modo online de jogadores contra jogadores, com um time de monstros especiais e o outro de sobreviventes.

Até o momento Vermintide 2 possui apenas um conteúdo adicional (dlc): Shadows Over Bogenhafen, lançado em 28/08/2018, que trás dois mapas, desafios semanais e novas aparências. Embora tenha recebido críticas neutras, pretendo testar assim que entrar em uma boa promoção.

Assim, pela excelente surpresa RPG de novos ares de aventura que Vermintide 2 me trouxe à fórmula Left 4 Dead, o jogo conquista a nota de 4 de 5 cookies!