Reino Unido, terra da rainha, séries fantásticas, chá e…muita música boa, e porque não dizer, figuras bem peculiares! O que é uma coisa boa! Queen, David Bowie, Spice Girls, Beatles e Elton John são alguns exemplos britânicos espetaculares.

Hoje vamos falar de Elton John, nome artístico de Reginald Dwight. Nasceu em Pinner, Reino Unido. Ele é pianista, cantor, compositor e produtor, já tendo recebidos inúmeros prêmios como Grammy, Brit Awards, Oscar, Globo de Ouro, Disney Legends, dentre outros. Haja premiação!

O músico fez muuuuuitos duetos com outros famosos e era amigo da princesa Diana, a qual homenageou com a música Candle in the Wind, de 1973, que ainda é um dos singles mais tocados até hoje no Reino Unido.

Conectando Elton com o meio cinematográfico, ele faz parte da trilha sonora de diversos filmes, inclusive com canções feitas especialmente para determinadas obras. Alguns exemplos são: Can You Feel the Love Tonight, de Rei Leão, e Road to El Dorado de Caminho para El Dorado.

Multipremiado e talentoso com uma vida recheada de sucessos musicais, chegamos ao filme Rocketman. O longa-metragem é uma fantasia em forma de musical inspirada na vida e início da carreira do artista. Com muitas cores, Rock e melodias envolventes passeamos pelas lembranças de Elton John de forma lúdica aos olhos dele de forma que se assemelha a uma consulta ao Psicólogo/Terapia/uma conversa com ele mesmo. Com Taron Egerton (Kingsman) no papel do protagonista, a trama mostra a transformação de Reginald em Elton. Suas caídas e ascensões, descobertas e reconhecimentos, e em especial, um bate papo com a versão dele mesmo criança, aos primeiros momentos que descobriu a música. Do pianista clássico, que passou para banda de apoio a super artista internacional acompanhamos diversas facetas do astro. Ele que também é considerado um ícone da cultura pop, e que mesmo com tantos títulos e prestígio no seu íntimo, é mais um ser humano que só quer ser feliz e amado, e trabalhar com o seu dom.

No filme, conhecemos como começou a parceria que até hoje acontece com o amigo e letrista Bernie Taupin, interpretado por Jamie Bell (Quarteto Fantástico, 2015). Em um mundo que não existia internet o collab começou através da troca de letras e fitas cassete pelo correio.

Falando no quesito caracterização, Egerton está igual ao Elton! Do cabelo ao figurino e no jeito de se portar. Excelente escolha da produção, sem contar que o ator cantou, dançou e gravou uma música inédita com Elton especialmente para celebrar a obra: (I’m Gonna) Love Me Again.

Algo que considero muito legal é Rocketman estar sendo lançado com o Elton John em vida, saudável e tudo de bom. Ver que há sim um final feliz na carreira e vida do artista que participou diretamente na produção do filme. O mesmo ocorreu com outro filme de banda que foi o The Runaways, em que Cherrie Currie e Joan Jett participaram diretamente na produção do filme, inclusive na escolha das atrizes, e mostraram de nas suas histórias existiram muitos baixos, além dos altos, mas que é possível superar e focar no que é positivo.

Parafraseando Brené Brown, autora de diversos livros como “A Coragem de ser Imperfeito”, “Mais forte do que nunca”, Elton chegou a um ponto em que não aceitou “críticas ou comentários de pessoas sem coragem de viver”. Trabalhou dentro da sua vulnerabilidade e enfrentou a “arena”, como diz Brow, com coragem de expor quem é em seu íntimo, e reconhecer quando estava rendo, ou até mesmo sendo “babaca”, e de pedir ajuda quando viu que não havia outra solução a não ser a real mudança de dentro para fora. Ainda, se empenhou em ajudar os outros que passavam pelas mesmas dificuldades que ele.

Ele superou o turbilhão de uma adolescência/início de uma vida adulta sob holofotes, ganhos e tropeços, e construiu uma carreira sólida, sóbria e com uma vida pessoal feliz. Suas canções são abertas, sinceras, carregam muito sentimentos. São gostosas de ouvir e emocionam.

Permitam-me compartilhar minha favorita: Your Song. Apresentada no filme em momento muito emocionante em que Elton e Bernie voltam para casa da mãe de Elton para continuarem tentando a carreira musical. Em um momento de forte vulnerabilidade, falta de esperança e demonstração de um simples agradecimento.

Rocketman recebe a avaliação de 3 cookies e meio pela produção. Recomendo pela obra como um todo. Já palpito indicações ao próximo Oscar em indicações como Melhor Ator, Melhor Figurino, e uma apresentação de Elton e Taron na noite mais aguardada da premiação do cinema! Pois além de belo visualmente, quantas questões levantadas a serem refletidas por qualquer pessoa que simplesmente esteja viva.

Fica o convite também para quando se sentir em um momento no qual se magoa com coisas sem importância, não trabalha questões internas que geram conflitos acumulados de relacionamentos familiares, que talvez seja a hora de realizar uma Constelação Familiar (ferramenta de cura espiritual, nos possibilita entendermos e compreendermos melhor a vida e nossos relacionamentos).

E também de conversar com aquele seu eu questionador da infância que no fundo às vezes só precisava de um abraço. Assim como Elton, às vezes precisamos superar alguns traumas de infância nos culpando de algo ou por termos algo diferente no jeito de ser. Toda manifestação de carência, mágoas, tristezas e até certas agressividades verbais são provenientes destes traumas. Às vezes depositamos em nossos amigos e familiares sem perceber que é apenas uma necessidade de dar amor e dificuldade em achar que nunca seremos amados. Mas sabem qual é a real? Isso não é verdade! Trazemos parte esses sentimentos na adolescência e alguns conseguem transformar em música. Mas a verdade é que todos somos humanos e podemos sim errar, cair, falar algo que gostaria da boca pra fora, se magoar, perceber, e com certeza se levantar! Às vezes nos perguntamos quanto tempo vai durar uma busca para um sofrimento. Sendo que só depende da gente ver o quanto tempo precisa durar.

Sejam menos duros com vocês mesmos, não tenham medo de expor de forma positiva aquilo que você é! “Se joga galera”! Coragem e Vulnerabilidade andam juntas, e coisas incríveis podem acontecer quando lida-se com estas questões!

BÔNUS: Os créditos mostram um pouco de como está Elton hoje e passa frames do filme comparados a fotos originais antigas. Demonstrado grande fidelidade e competência de toda produção envolvida no filme! A Magia do cinema fez o seu trabalho belissimamente.

BÔNUS 2: Tem uma palestra fantástica no Netflix da Brené Brown que se chama The Call to Courage.

BÔNUS 3: A playlist oficial completa do filme está disponível no Spotify! Estou ouvindo enquanto escrevo! Vocês podem acessar nesse link.