Doctor Who estreou em 1963 e conseguiu chegar em 2011 com 32 temporadas devido basicamente a um fator: mudança. Mesmo que o Doctor (como é conhecido) não seja humano, ele representa “o herói”. O conceito está ligado à mentalidade da sociedade em determinado período e está em constante transformação. Isso significa que na década de 60 o herói era um homem idoso, sábio por todas as experiências que já acumulou. Na década de 70, era um homem imprevisível com o cabelo cacheado enorme. Assim ele foi evoluindo (como a sociedade) até chegar em um jovemhipster. Não foi apenas o conceito de herói que mudou durante as décadas, mas a maneira de se fazer televisão, de se contar uma história e sua intensidade. Se o final da quinta temporada desta nova era fosse transmitido em décadas anteriores, cheio de paradoxos e viagens no tempo, a história não funcionaria. O público não iria entender. Mas o telespectador progrediu. Agora só assiste as temporadas clássicas quem é realmente fã, porque é necessário um esforço para acompanhar tramas lentas e monstros antiquados. O público evoluiu o suficiente para receber um personagem que não é perfeito, que deve tomar decisões difíceis, que não está sempre certo, mas que continua sendo herói – o que explica, inclusive, o sucesso de séries como Dexter e Breaking Bad.

De fato, a sociedade atual não aceita uma pessoa (mesmo sendo alien) ser perfeita, sem suas dualidades. O público não quer que um personagem de 900 anos não tenha um passado negro e um ego que precise ser controlado. É por isso que Russel T. Davies trouxe de volta à TV um Doctor que não apenas viaja acompanhado por diversão, mas por necessidade. E é quando o Doctor viaja sozinho que é possível ver fragmentos de sua personalidade antes escondidos. São fragmentos que o destruiriam devido a sua raiva (The Runaway Bride) ou que o deixariam mudar a linha do tempo simplesmente porque ele pode (The Water of Mars). E é por isso que quando Steven Moffat assume controle da série, ele pode brincar com a dualidade que mistura conto de fadas com uma camada obscura. Construindo essa realidade durante a quinta temporada, chegamos ao sexto ano desta nova era, que transformou Doctor Who em ícone também em outro continente. Foi uma temporada mais dark desde que o programa retornou em 2005 e, na minha opinião, a mais divertida. Conhecemos uma das criaturas mais legais do universo whovian, finalmente vimos a personificação da verdadeira protagonista da série, torcemos na luta física e emocional entre pessoas originais e suas cópias, descobrimos quem é River Song, lidamos com questões morais com duas Amys, reencontramos e nos despedimos de grandes amigos e tivemos toda a história da humanidade acontecendo ao mesmo tempo devido ao amor. Houve um problema aqui com piratas e outro alí com uma casa de bonecas, mas que não invalida a grandiosidade da temporada.

Russel T. Davies afirma que sempre que uma história é boa, há uma mudança em um ou mais personagens. No caso desta temporada, todos eles mudaram. Amy, Rory, River e o prórprio Doctor se depararam com situações que os fizeram entrar em contato com sentimentos e lógicas desconhecidas. Amy teve que lidar com seu preconceito na trama dos doppelgangers; ficou claro para Rory que ele nunca poderia ou que ele gostaria de ser como o Doctor, especialmente quando teve que escolher qual Amy seguiria em frente; anos de lavagem cerebral não foram suficientes para evitar que o momento certo com o Doctor mudassem River. E o Doctor, que começou a temporada aceitando sua morte apenas para descobrir que ele não estava pronto para isso. Além disso, o inevitável momento que os fãs de Doctor Who sempre temem também aconteceu: a despedida de seus acompanhantes.

Acostumados com as companions sendo jogadas em universos paralelos ou tendo suas memórias apagadas, imagino que os whovians ficaram alegres quando Rory e Amy tiveram um desfecho simples, porém elegante. A partida de ambos foi sendo preparada desde a estreia da segunda parte do ano, com o Doctor sentindo culpa por ter envolvido Rose, Martha e Donna em suas aventuras. Ele deveria parar antes que fosse tarde demais. Rory viu a consequência de se ter poder sobre o tempo e espaço em The Girl Who Waited, e o grande laço entre Amy e o Doctor foi cortado em The God Complex. Mas fora a separação feita cedo o suficiente? Teria Amy matado uma pessoa se ela não tivesse viajado com o Doctor?

Os personagens mudam, a trama muda, o público muda. E é assim que Doctor Who vai se inovando e conectando com a sociedade de qualquer época. Um homem louco com uma máquina do tempo é premissa o suficiente para a série continuar no ar durante muito tempo, mesmo com os eventuais hiatos de 16 anos.